Category : Regularidade | Obrigações

Home/Archive by Category "Regularidade | Obrigações" (Page 5)

O que o empreendedor deve fazer antes de abrir uma empresa

Os brasileiros, além de criativos, são bons empreendedores. É o que confirmam muitas pesquisas, como o Global Entrepreneurship Monitor (GEM) e o relatório da Endeavor/Ibope. Mas nem sempre o ímpeto de empreender é o suficiente para alcançar o sucesso no mundo dos negócios. É necessário muito empenho e conhecimento sobre como fazer a boa gestão de uma empresa. Isso inclui a soma de planejamento com ideias e compreensão do mercado. Você está começando um negócio próprio ou pretende abrir um em breve? Então confira como acertar nos primeiros passos!

1. Anotar suas ideias

Todo empreendedor vive cheio de ideias na cabeça. São produtos e novidades que quer testar ou implementar no novo negócio ou mesmo outras ideias de empresas que pretende abrir um dia. Não deixe esses pensamentos se perderem: fazer anotações das ideias é primordial, já que é a partir delas podem surgir muitos negócios interessantes. Ao anotar, aproveite para refletir sobre elas, do ponto de vista do seu público-alvo. Afinal, o papel aceita tudo, mas os clientes são mais exigentes! É preciso ter foco na hora de escolher o que e para quem vender, para evitar surpresas com o incerto.

2. Pesquisar e estudar seu mercado, sempre

Não há como entender sobre o mercado ou setor em que você atua sem fazer pesquisas e estudos. Matricular-se em um curso de empreendedorismo é uma boa oportunidade de capacitação, mas não pare por aí. Uma vez que já tenha escolhido o segmento de mercado em que vai atuar, busque contatos em outras empresas do setor, frequentando eventos da área e nutrindo sua rede profissional – o que pode inclusive ser feito online, com a ajuda das redes sociais.

Leia jornais de economia, sites e revistas especializadas. Mas também busque leituras menos sóbrias, que tragam boas inspirações. Uma dica são as biografias de empresários bem sucedidos, como Steve Jobs, Silvio Santos e Abílio Diniz.

3. Escolher um bom local (ou um bom domínio)

Depois de delimitar seu segmento de clientes e saber certinho a proposta de valor do seu produto ou serviço, pense sobre os canais de distribuição. Ou seja: “como vou chegar até meus clientes ou como eles chegarão até a empresa?” Nesse quesito, a escolha de um bom local para se estabelecer (em caso de um negócio off-line) ou de um bom domínio para registrar (no caso de negócios na internet), podem ser fator determinante. Ser encontrado facilmente com certeza facilita o crescimento rápido dos negócios.

4. Registrar a empresa

Saindo do papel para a prática, é necessário atender algumas exigências para se formalizar no mercado. Essa parte burocrática, por mais complicada que seja, é importante. Hoje já existem alternativas mais simples para empreendedores que estão começando um negócio, como o registro de Microempreendedor Individual (MEI). Você também pode fazer uma simulação, por exemplo, para escolher o melhor regime de tributação para o seu negócio. Independente da decisão, há uma lista de tarefas a cumprir logo em seguida.

• Registrar a empresa no Cartório de Registro da Pessoa Jurídica ou na Junta Comercial do estado, para que ela passe a existir juridicamente. Para fazer esse registro, serão requeridos documentos e informações, como contrato social, CPF, RG, comprovante de residência dos sócios, entre outros.

• Após o registro da empresa, é hora de tirar o CNPJ. Esse cadastro é feito através do portal da Receita Federal, na internet.

• Em seguida é preciso ter a licença para o funcionamento de fins comerciais. A Prefeitura Municipal é quem concede o alvará de funcionamento, que permitirá que sua empresa opere no estabelecimento escolhido.

• Para a Inscrição Estadual, procure a Secretaria Estadual da Fazenda do seu estado. Essa inscrição é obrigatória para todas as empresas e demanda apresentação de alguns documentos.

• Feito isso, falta ainda o cadastro na Previdência Social.

Por último, é importante ficar também por dentro do eSocial, um projeto que visa facilitar o processo de fiscalização da empresa. Um contador parceiro poderá orientá-lo sobre como dar os primeiros passos de gestão que farão a diferença no sucesso do novo negócio.

Você quer ajuda para começar uma empresa e poder tirar suas ideias do papel? Envie um email com suas dúvidas para contato@capitalsocial.cnt.br que nós teremos prazer em responder!

 

Afinal, o que faz um escritório de contabilidade?

O que faz um escritório de contabilidade e como isso pode ajudar a minha empresa? Você já fez essa pergunta?

Muitos empreendedores iniciantes ainda possuem dúvidas sobre os serviços e funções relacionados ao seu negócio. Essas dúvidas são naturais à princípio, porém, é preciso tomar muito cuidado e buscar orientação de profissionais habilitados, para que essas dúvidas não possam levá-lo a tomar decisões erradas que venham a causar algum prejuízo no futuro.

A contabilidade por exemplo, é um desses serviços que não só podem, mas que certamente vão ajudar muito a trilhar o caminho das pedras. Pois ao contrário do que muitos pensam, a contabilidade não serve apenas para pagar impostos e fazer com que o empresário fuja da burocracia.

Há muitas outras vantagens que a sua empresa terá ao contratar um escritório de contabilidade, já que o contador será também o responsável por:

  • Organizar a documentação necessária para o funcionamento do negócio;
  • Administrar as contas da empresa;
  • Registrar os históricos para que se possa rever atitudes e definir prioridades para o futuro;
  • e muito mais.

Em um mundo tão competitivo, o contador pode ser o parceiro ideal daquele empreendedor que busca conhecer melhor as rotinas do seu negócio.

O contador pode fornecer informações ao empresário sobre todas as áreas e departamentos, ajudando-o a melhorar o patrimônio e o modo de administrar a sua empresa.

Afinal, cada empresa tem as suas características e necessidades próprias, e um projeto bem realizado com um escritório de contabilidade dará todas as condições para que o empreendedor defina melhor o seu posicionamento no mercado, melhorando sempre que possível o desempenho de suas atividades e consequentemente estimulando o crescimento do seu negócio.

Uma boa gestão contábil pode influenciar o crescimento da empresa

No caso das micro e pequenas empresas, é importante dizer que de acordo com o Sebrae, uma das razões que leva ao fechamento nos dois primeiros anos é a falta de preparo em gestão:

“Os empreendedores não conseguem identificar preços e vantagens competitivas, não sabem gerenciar o fluxo de caixa, não possuem controle de estoque etc.”

Ou seja, negligenciam o trabalho da contabilidade – fazem o mínimo em termos de obrigações legais e fiscais, deixando de buscar orientações com relação à contabilidade gerencial, que são as informações analisadas para tomada de decisões.

Muitos empresários em início de atividades abrem mão de serviços contábeis para enxugar gastos, já que os custos para a contratação de um escritório de contabilidade podem parecer um pouco elevados para certas empresas iniciantes.

Porém, essa atitude pode gerar muitos transtornos futuros, já que uma má administração do fluxo de caixa e capital de giro – que são falhas que as empresas costumam muito cometer – podem acarretar o seu fechamento.

Isso porque é com o fluxo de caixa que se faz as projeções para períodos futuros, com as entradas e saídas de recursos financeiros da empresa com base em informações já existentes. Em decorrência disso, é permitido visualizar como será o saldo de caixa em determinado período estimado.

Já o capital de giro é usado para financiar as operações da empresa, sejam elas relacionadas ao pagamento de despesas, fornecedores, matéria-prima, funcionários, financiamento de clientes, entre outros. Como o próprio nome já diz, ele está relacionado aos investimentos ou contas que movimentam a empresa.

E é por isso que, se analisar a situação de perto, o empreendedor verá que a gestão contábil é um investimento necessário e também poderá trazer desenvolvimento para as suas atividades e lucros em curto, médio e longo prazo.

Mostraremos a seguir como um contador pode te ajudar.

Benefícios de se contratar um escritório de contabilidade

Existe uma série de benefícios que você pode conseguir ao contratar um escritório de contabilidade para fazer a gestão fiscal da sua empresa, entre eles:

Maior controle

  • Você poderá verificar as entradas e saídas de compras mensais com registros sistematizados. Assim terá um maior controle sobre quanto dinheiro sobrará em caixa e como ele poderá ser melhor utilizado.
  • Com os dados levantados pela contabilidade, é possível monitorar o estoque – o excesso de produtos, por exemplo, pode criar problemas de caixa para a empresa. Um monitoramento adequado do estoque poderá ajudá-lo na tomada de decisões sobre qual a melhor forma de incentivar a venda de um determinado produto que está parado, por exemplo.

Ou seja, com controle contábil, é possível estabelecer uma Previsão Orçamentária Anual (Lucros e Perdas), a implantação de controles administrativos para melhores decisões, um PCP (Planejamento e Controle de Produção), etc.

Melhor planejamento

  • O empresário pode criar uma planilha de fluxo de caixa, considerando todas as entradas e saídas, documentadas em banco, definindo também as previsões de novas entradas e as saídas futuras (de quitação de compromissos e investimentos), etc. Com isso se planeja melhor para o que está por vir e evita surpresas desagradáveis.
  • O contador pode fornecer balancetes mensais das atividades da empresa, para que sirva de parâmetro para o planejamento da produção da empresa.
  • O empresário pode planejar melhor os custos de venda, baseando-se nos meses anteriores.

Ajuda na definição de preços

  • As informações fornecidas pelo contador servem de orientação quanto ao preço de venda dos seus produtos – não apenas se baseando na concorrência, mas incluindo os impostos, despesas gerais e margem de lucro ideal. Assim, seus preços sempre estarão atualizados e dentro do esperado pelo mercado.

Regulamentação com órgãos governamentais

  • O contador facilita a vida do empresário ao registrar e documentar junto aos órgãos governamentais todos os pagamentos de impostos e licenças de funcionamento.

Conclusão

No caso das micro e pequenas empresas, as mensalidades e valores dos serviços contábeis geralmente são mais baixos, tornando possível o melhor aproveitamento para o desenvolvimento de suas atividades.

Além disso, se a sua empresa ainda está se estruturando e se estabilizando, investir na gestão contábil pode ser uma boa maneira de se organizar melhor e criar uma base mais segura.

Viu como entender as rotinas da gestão contábil pode ajudar a desenvolver o seu negócio? É muito importante pensar na saúde dos seus negócios não só no presente momento, mas também a médio e longo prazo. Assim você manterá suas documentações em dia, garantirá a integridade da sua empresa e lucrará mais!

Tem alguma dúvida ou comentário a fazer sobre o assunto? Mande um comentário ou e-mail para contato@capitalsocial.cnt.br que responderemos com todo o prazer!

A Capital Social Contabilidade e Gestão oferece todos esses serviços. Ficou interessado? Consulte os nossos planos ou solicite um orçamento!

Contador: O melhor amigo dos super empreendedores

Pode-se dizer que há um elemento em comum entre empresas já organizadas e muito bem estruturadas – sejam elas de pequeno, médio, ou até mesmo grande porte, nas mais variadas áreas de atuação. Todas têm uma relação bastante próxima entre os gestores e seus contadores. O resultado dessa parceria, invariavelmente, é o fortalecimento dos negócios.

Portanto, a escolha do contador ou escritório de contabilidade é algo a ser feito com absoluto critério. Mas quais as funções desse profissional ou equipe, que por vezes, fica fora da empresa?

Entre outras funções, a área de contabilidade elabora e reúne todos os demonstrativos e relatórios periódicos, a fim de apresentar, sempre que necessário, a situação financeira da empresa. O contador pode apontar caminhos estratégicos para contornar eventuais erros, melhorar os resultados da empresa e aproveitar oportunidades do mercado.

Contador nota 10

O ingrediente fundamental na importante relação entre gestores e contadores é, sem sombra de dúvidas, a confiança. Isso se deve ao fato de que a troca de informações que se dá entre esses dois grupos é, na maior parte dos casos, de caráter confidencial. Essa transparência precisa existir se o pequeno ou médio empresário desejar, de fato, aperfeiçoar a gestão da empresa.

Para isso, o contador deve estar apto a orientar, claramente, a respeito das alternativas mais interessantes para realizar investimentos de modo a reduzir impostos, bem como honrar pagamentos – de despesas comerciais ou de obrigações trabalhistas, por exemplo – e alcançar metas da empresa, sempre buscando auxiliar com presteza e atendendo as exigências legais e contábeis.

Um bom contador é também um consultor de negócios, ajudando até a organizar todo o setor administrativo.

Cuidados básicos

Para contratar um profissional da área para a empresa, o primeiro passo é verificar se ele ou ela tem registro junto ao Conselho Regional de Contabilidade, o CRC do estado. Essa é a prova oficial de que o colaborador ou prestador de serviço tem a formação necessária para o exercício dessa função.

Além disso, pelo fato de um contador necessitar de vastos conhecimentos sobre tudo o que cerca o mundo de negócios, é importante que esse profissional esteja atualizado com os últimos acontecimentos, não só sobre o mundo dos negócios em particular, mas também sobre legislação, política e economia.

Antes de procurar alguém, pense com profundamente sobre o negócio: qual retorno deseja obter e como seria a parceria ideal para vocês. É uma atitude para minimizar riscos ou problemas eventuais dessa relação profissional, que deve ser permeada por valores como profissionalismo, competência, ética e moral.

E você, o que espera de um contador? Compartilhe com a gente os comentários nas redes sociais!

 

Empreendedor Individual

Embora tenha vindo para facilitar, a MEI ou o registro de Micro Empreendedor Individual ainda gera muitas dúvidas entre os empreendedores. Abaixo listo os principais pontos para MEI e se precisarem de apoio nos procure!

Seguem as dicas:

1) Pagamento de impostos e contribuições mensais

Através do carnê/guias de pagamento, Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS), disponibilizado no Portal do Empreendedor – Carnê de Pagamento Mensal. A data do vencimento é sempre no dia 20 do mês subseqüente à formalização.

O custo mensal da formalização será de R$ 32,10 a R$ 37,10* referente a: INSS – R$31,10 + ICMS – R$1,00 (Comércio e Indústria)+ ISS – R$5,00 (Serviço)

*Atenção: Essas quantias serão atualizadas anualmente, de acordo com o salário mínimo.

Caso atrase o pagamento, haverá cobrança de juros e multa. A multa será de 0,33% por dia de atraso limitado a 20% e os juros serão calculados com base na taxa Selic. No primeiro mês de atraso, os juros serão de 1%. Após o vencimento deverá ser gerado novo DAS, acessando-se novamente o Carnê de Pagamento Mensal onde será emitido um novo carnê com os valores da multa e juros devidos.

2) Emissão de Nota Fiscal

O EI deverá obrigatoriamente emitir nota fiscal nas vendas e nas prestações de serviços realizadas para pessoas jurídicas (empresas) de qualquer porte e para instituições públicas (ex.: prefeituras). Não precisa emitir nota fiscal para o consumidor final, pessoa física.

O EI também ficará dispensado da emissão de nota fiscal para pessoas jurídicas quando a pessoa jurídica tomadora emitir uma nota fiscal de entrada.

Para procedimentos quanto a emissão da nota fiscal o EI deverá buscar orientações junto à Prefeitura Municipal (Serviços) e/ou Secretaria da Fazenda (Comércio e Indústria).

3) Relatório Mensal das Receitas Brutas

Cada mês, até o dia 20, o Empreendedor Individual deverá preencher (pode ser manualmente), o Relatório Mensal das Receitas que obteve no mês anterior. Ele deve anexar a esse relatório, as notas fiscais de compras de produtos e de serviços, bem como as notas fiscais que emitir.

4) Declaração Anual Simplificada

Cada ano, o Empreendedor Individual deve declarar o valor do faturamento do ano anterior. A primeira declaração poderá ser preenchida pelo contador gratuitamente. As declarações dos anos seguintes poderão ser feitas pelo próprio empreendedor até o dia 31 de maio.

E se o EI não fizer a declaração anual?

Quem não enviar o documento dentro do prazo paga multa de R$50,00, corre o risco de ter CNPJ bloqueado, tem o acesso a crédito prejudicado, além de não conseguir recolher as obrigações mensais, como contribuição previdenciária e impostos, pois não conseguirá imprimir as guias de pagamento mensal (DAS).

Assim ficará sem a cobertura dos benefícios previdenciários e não poderá emitir certidão negativa de débitos na Receita Federal.

Fique Atualizado, receba informações gratuitamente da Capital Social em seu email!

5) Contabilidade

A contabilidade formal como livro diário e razão está dispensada. Não é preciso também ter Livro Caixa. Contudo, o empreendedor deve zelar pela sua atividade e manter um mínimo de controle em relação ao que compra, ao que vende e quanto está a ganhar. Essa organização mínima permite gerenciar melhor o negócio e a própria vida, além de ser importante para fazer crescer o negócio e desenvolvê-lo.

Além disso, o Empreendedor Individual (EI) deve guardar as notas de compra de mercadorias, os documentos do empregado contratado e o canhoto das notas fiscais que emitir. Caso o EI tenha empregado, um contador pode orientar sobre como fazer o recibo de pagamento do empregado dele e ainda informar sobre como fazer as guias para pagar os impostos.

6) Imposto de Renda Pessoa Física e Contribuições Sindicais

– IRPF: O lucro líquido obtido pelo Empreendedor Individual na operação do seu negócio é isento e não tributável no Imposto de Renda Pessoa Física – IRPF. Contudo o EI, na qualidade de contribuinte, nos termos da legislação do Imposto de Renda, não está isento de apresentar a declaração anual de ajuste de IRPF. Procure um escritório de contabilidade para orientação.

– SINDICATO: O EI está dispensado de recolhimento de contribuições sindicais patronais, na conformidade das Leis Complementares nº 123/2006 e nº 128/2008.

7) Trabalho para outras empresas

O empreendedor individual não poderá realizar cessão ou locação de mão de obra. Isso significa que o benefício fiscal criado pela Lei Complementar 128/2008 é destinado ao empreendedor, e não à empresa que o contrata.

Isso também significa que não há intenção de fragilizar as relações de trabalho, não devendo o instituto ser utilizado por empresas para a transformação em empreendedor individual de pessoas físicas que lhes prestam serviços.

8) Trabalho Ambulante

Ambulante ou quem trabalha em lugar fixo deverá ter autorização da Prefeitura com relação ao tipo de atividade e ao local onde irá trabalhar. A obtenção do CNPJ e a inscrição da Junta Comercial não substituem as normas de ocupação dos Municípios que devem ser observadas e obedecidas.

9) Alteração de dados ou baixa da empresa

A alteração de dados ou baixa do EI não tem custos na Junta Comercial. Mas, você precisará preparar os documentos para enviar à Junta.

E se for realizara a baixa da EI, lembre-se que precisa solicitar também a “baixa” na Prefeitura Municipal, Sindicato e Previdência Social.

Outra informação muito importante: não há TAXA DE ABERTURA, porém o interessado deverá fazer sozinho no portal do empreendedor. E, a legalização da empresa não encerra ou se limita a esse portal, apesar das isenções é preciso fazer o registro na Previdência Social, Sindicato e Prefeitura.

Espero te sido útil essas informações e se precisa de mais, nos ligue!

+5511 4149-1703 ou 3432-9793