Category : Administração | Finanças

Home/Archive by Category "Administração | Finanças" (Page 10)

Que tipos de registros as ONGs devem ter?

Também chamadas de “empresas do terceiro setor”, as Organizações não-Governamentais (ONGs) se caracterizam por não serem nem do setor privado, nem do setor público.

Essas organizações são conhecidas também por não terem fins lucrativos e por atuarem na resolução de problemas sociais ou ambientais. Associações, cooperativas ou fundações podem ser ONGs.

Quer saber mais sobre o que diferencia a gestão dessas organizações?

Confira com a gente a seguir!

Continue Reading –

Fechou no negativo? Saiba como prever e evitar o resultado no vermelho

Um dos principais desafios de empreendedores que estão iniciando uma atividade empresarial é controlar as finanças e evitar o fechamento no vermelho. Esse desafio fica mais aparente nos meses em que o setor comercial fecha abaixo da meta ou há desistência de clientes e queda no faturamento.
Por isso, é importante melhorar as estratégias para aumentar os rendimentos nos meses em que há maior potencial, diminuir os riscos nos meses mais “fracos” e, acima de tudo, equilibrar as contas em todas as épocas do ano. Tudo isso aliado a uma ótima administração e a um bom fluxo de caixa e prevenção, fará com que a empresa cresça gradativamente.

As dicas a seguir poderão servir de base para melhorar as finanças de sua empresa. Confira:

1. Melhore a gestão de empresa

Sem uma boa gestão de empresa, não existe fórmula mágica para evitar o resultado no vermelho e nem como melhorar os resultados. Por isso é importante ter ciência de todos as entradas e saídas, sejam elas de mercadorias ou de dinheiro em espécie.

Por isso, contratar um bom escritório de contabilidade deve ser considerado um investimento e não um gasto. Porém, mesmo confiando plenamente na contabilidade apresentada, é preciso montar uma planilha de gestão para melhorar o controle do fluxo de caixa no dia a dia, além de poder vislumbrar cenários futuros para o negócio. Bons empreendedores veem as finanças como um aliado, não como um problema.

2. Invista em publicidade (com resultados)

Quem nunca ouviu a famosa frase de que a propaganda é a alma do negócio? No entanto, não é qualquer tipo de publicidade que fará aumentar as vendas ou a procura pelos serviços da sua empresa.

Direcionar a publicidade ao público-alvo fará diminuir o investimento e aumentar a taxa de retorno. Com bom conhecimento da região, é possível saber quais os meios trarão melhores resultados. Teste diferentes canais primeiro (online e offline) e mensure. Só aumente o investimento naqueles que você perceber que realmente trazer mais clientes e mais percepção sobre sua marca.

3. Diminua o pró-labore e os gastos fixos

Uma primeira ação para sair do vermelho, é necessário adequar o pró-labore à realidade da empresa naqueles meses de menor arrecadação. Para não ficar mudando suas finanças pessoais sempre que mudar o fluxo de caixa, calcule uma média mensal e defina um período certo para a retirada desse valor. Apertar o cinto no momento em que as contas ficarem complicadas é uma forma também de passar uma mensagem geral para sócios, colaboradores e você mesmo: os tempos são de esforços e todos precisam se adequar, começando por quem está à frente dos negócios.

Outros gastos fixos devem ser readequados para melhorar a saúde da empresa. Por exemplo:

Energia;
Plano de internet;
Telefonia celular;
Salários;
Aluguel.
Cuidado para não confundir gastos com despesas. Aquelas saídas que funcionam como investimentos e no longo prazo trarão mais clientes devem ser mantidas. Já no caso do aluguel, tente negociar formas de pagamento com o proprietário do imóvel e adote medidas para evitar os outros gastos. Caso seja necessário, tente mover sua empresa para outro local onde os gastos sejam menores.

4. Venda mais!

Sim, antes de pensar em cortar funcionários, atrasar pagamentos, enxugar e se frustrar, pense em saídas que ativem sua criatividade empreendedora. Que tal uma ação ou promoção que traga clientes o suficiente para equilibrar as contas?

Uma saída ainda melhor: quem sabe você possa procurar seus clientes atuais e vender mais para eles, oferecer outros serviços ou produtos – o chamado upsell? No mínimo, será uma forma de conhecer melhor as demandas de seus clientes para poder oferecer propostas melhores e mais lucrativas no futuro.

5. A prevenção é a melhor saída

Todo empresário deve conhecer muito bem a demanda pelo produto que está oferecendo e o ritmo do mercado em que atua. Dessa forma, é possível ter exata noção dos meses do ano em que o fluxo é menor. A empresa precisa de capital de giro e de uma reserva que possa ser usada nos meses que tiveram retorno mais baixo.

Para não ter uma distância muito grande entre os meses bons e ruins, busque alternativas para trazer os clientes nessas épocas, seja com promoções e facilidades no pagamento ou mesmo ampliando o cardápio de produtos e serviços.

Dica extra: procure uma consultoria

Quando a situação voltar ao azul, não é hora de relaxar. Pelo contrário: arregace as mangas e procure ajuda também, para prevenir novos momentos de dificuldades. Uma consultoria bem aplicada auxilia a empresa a alavancar seu rendimento, afastando-a cada vez mais da zona do vermelho.

Além dessas dicas é preciso estudar sempre, conhecer a fundo sobre gestão e estudar as finanças da empresa. Fazendo isso, você aumentará consideravelmente as chances de sucesso do seu negócio.

Você ficou com dúvidas sobre como retomar o saldo positivo nas contas da empresa? Mande suas perguntas para contato@capitalsocial.cnt.br. Nós ficaremos felizes em poder ajudá-lo!

 

Como organizar despesas e receitas da empresa de um jeito fácil

De cada quatro empresas criadas no Brasil, uma declara falência antes de completar dois anos de atividade.

E um dos principais motivos para essa circunstância é a falta de organização das finanças.
O empresário que acompanha de perto as finanças de seu negócio tem melhores possibilidades de calcular os custos e as compras, acompanhar seu potencial de venda, projetar a margem de lucro de seu produto ou serviço, bem como fazer investimentos de médio e longo prazo.

Um controle detalhado das entradas e saídas (fluxo de caixa) é necessário para que a gestão da empresa possa trabalhar com mais segurança.

Esse controle é de suma importância tanto para calcular o capital de giro quanto para definir datas de pagamentos, recebimentos e também para reduzir impostos.

Para você que está dando os primeiros passos como empreendedor e deseja obter o crescimento dos negócios, veja algumas de dicas de como melhorar os resultados da empresa fazendo um bom controle financeiro.

Primeiro passo: onde organizar

Você pode organizar os custos, despesas e receitas de sua empresa através de:

– Planilhas de Excel
– Software de gestão financeira
– Lápis e caderno

A escolha fica a seu critério. O que importa é que o controle seja bem detalhado.

É importante que essa ferramenta de organização que você selecionou seja de fácil acesso para você, pois assim todas as mudanças poderão ser anotadas no ato — além de evitar imprevistos financeiros no final dos cálculos.

Como fazer o controle

Diariamente, você irá registrar os seguintes itens em seu controle financeiro:

1. Saldo inicial

É o valor que inicia o controle financeiro. Esse valor é o quanto você tem disponível no início do período, sem contar com os valores que irão entrar ou serão reduzidos.

2. Entradas

É o que você recebe pela venda do produto ou serviço. Você deve descrever a data de recebimento, a origem de cada receita e registrar qual foi a forma de pagamento (dinheiro, cheque pré-datado, depósito ou cartão de crédito) bem como o valor de cada entrada.

3. Saídas

São os valores que você irá pagar. Não deixe de registrar o destino das despesas e de que forma foram feitos os pagamentos. Classifique as despesas em “gastos fixos” e “gastos variáveis”.

Você também deve projetar as despesas recorrentes para facilitar a previsão de despesas.

Despesas fixas

Todo gasto fixo é previsível e, por isso, deve ser contabilizado. Alguns exemplos de gastos fixos são: aluguel, obrigações trabalhistas, folha de pagamento e honorários do escritório de contabilidade.

Despesas variáveis

Todo gasto cujo valor não pode ser previsto ou que sofre variações. Exemplos: despesas com matéria prima, comissões de venda, embalagens, fretes de vendas, contas de telefone, energia e água.

Custos

Custos são todos os gastos envolvidos no desenvolvimento ou produção de um produto ou serviço. Envolvem matéria-prima, mão-de-obra e gastos gerais de fabricação. Os custos podem ser classificados em diretos e indiretos.

4. Saldo operacional

É o resultado financeiro das movimentações diárias. Corresponde à quantidade de dinheiro que entrou durante um período estipulado (mês, semana ou dia) e é obtido através do saldo entre gastos, entradas e saídas da empresa durante o tempo estipulado.

5. Saldo final

É a soma do saldo inicial com o operacional. Esse valor define quanto de receita foi acrescido a um negócio, ou caso feche em margem negativa, quanto será reduzido do saldo inicial.

Cuidados

– Separe o controle financeiro da empresa de suas finanças pessoais.
– Não contabilize como saldo positivo cheques devolvidos ou a serem compensados.
– Contas em atraso devem ser cobradas com rapidez para não prejudicar o capital de giro.
– Faça uma anotação das movimentações bancárias, como recebimento de depósitos, transferência e saques.
– Mantenha a disciplina em dia: não deixe de anotar e fazer atualizações periódicas no seu controle financeiro. Isso é fundamental para o sucesso da sua gestão financeira.
– Busque fazer sua projeção financeira anual. Isso facilita a projeção de despesas e receitas, evitando surpresas desagradáveis.

Sem segredo, anotar tudo é a maneira mais fácil de organizar as despesas e receitas de uma empresa. Com organização e um controle minucioso, é possível ver à quantas caminha o destino financeiro de sua empresa — e assim, pensar qual é o próximo passo a ser tomado!

Você tem alguma dúvida sobre como organizar as despesas e receitas da sua empresa? Mande um e-mail para contato@capitalsocial.cnt.br! Nós ficaremos felizes em ajudá-lo!

5 dicas para escolher um bom escritório de contabilidade

Um dos principais passos que devem ser seguidos por quem deseja iniciar um empreendimento – seja ele de pequeno, médio ou grande porte – é garantir e construir uma relação com um escritório de contabilidade.

Além de ser o primeiro consultor do empreendedor, o escritório contábil será responsável pelas resoluções e acompanhamentos de todas as questões burocráticas da empresa, da elaboração dos contratos e cálculos das obrigações trabalhistas a melhorias nos sistemas de gestão da empresa.

Consequentemente, o escritório terá grande impacto crescimento dos negócios. Percebeu a importância de contratar um bom escritório de contabilidade?

Pois bem, para facilitar ainda mais a procura e mostrar que este processo não é um “bicho de 7 cabeças”, selecionamos 5 dicas essenciais para a escolha de um bom escritório contábil. Confira as informações e garanta o sucesso da sua empresa!

1. Considere indicações alheias

Assim como nos demais segmentos de negócios, a indicação é uma das melhores maneiras de contratar um bom serviço.

No caso dos escritórios de contabilidade, uma boa opção é realizar pesquisas pela internet: após encontrar o escritório desejado, solicite à empresa uma lista de clientes para que sejam obtidas referências profissionais antes de formalizar o contrato de prestação de serviços.

O escritório de contabilidade não precisa estar localizado na mesma região da empresa, e sim prestar um serviço com suporte adequado e de boa qualidade.

Vale salientar que a escolha deve levar em consideração o profissionalismo do escritório e não somente as relações de amizade.

2. Confirme a situação cadastral do escritório em órgãos específicos

Uma vez encontrado o escritório, é imprescindível checar a inscrição dos profissionais – e do próprio escritório – nos órgãos específicos.

Consulte o Sescon (Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis) para saber se o escritório é um afiliado e também o CRC (Conselho Regional de Contabilidade) para confirmar o registro dos responsáveis técnicos do escritório, bem como a regularidade de tais inscrições.

3. Analise os modelos de relatórios que serão enviados à empresa

O escritório de contabilidade deverá enviar – mensalmente – relatórios com informações como cobrança de tributos e folha de pagamento dos funcionários.

É interessante conhecer os modelos destes relatórios e se os mesmos satisfarão a organização da empresa.

Caso encontre divergências ou falta de informação nestes relatórios, discuta com o contador a possibilidade de adaptação.

4. Entenda como serão pagos os honorários e impostos

Ao contrário do que muitos leigos pensam, o escritório contábil não é responsável pelo pagamento de contas e tributos.

Apesar de, em muitos casos, conseguirem reduzir impostos empresariais, o pagamento dos títulos ficam à cargo da empresa.

O escritório de contabilidade fica responsável apenas por organizar tais vencimentos e encaminhá-los, nas respectivas datas, à empresa.

Quanto aos honorários, não existe um valor fixo a ser cobrado pelos escritórios.

Tal montante depende da diversidade de serviços os quais serão oferecidos.

A fim de comparação, é possível fazer um orçamento em vários escritórios, analisando o custo-benefício de cada um. Mas atenção! Desconfie de preços praticados abaixo da média de mercado.

5. Analise o sistema de comunicação oferecido pelo escritório

Respostas quase que instantâneas e resoluções rápidas são essenciais na relação cliente x contador.

Por isso, manter canais de contatos ágeis e sempre ativos é um diferencial que deve ser levado em conta.

Questione se o escritório possui telefones ativos, e-mail, site ou outro meio de comunicação viável para ambos e analise o tempo de resposta aos questionamentos.

Para finalizar, é preciso ter confiança nos profissionais e no escritório de contabilidade.

Lembre-se de que nesta relação serão discutidas informações confidenciais e, por isso, sentir-se confortável é imprescindível!

Você quer contratar um escritório de contabilidade, mas está em dúvida sobre como proceder? Mande suas perguntas para contato@capitalsocial.cnt.br, nós ficaremos felizes em ajudá-lo!

5 passos para dominar seu mercado em 2014

Quem busca sobreviver no mercado precisa programar melhorias em seu negócio. Esse passo é fundamental, pois as demandas mudam constantemente. Por isso, se você deseja melhorar seu negócio em 2014, deve se adequar a gestão da empreitada e obedecer mais às exigências dos clientes.

Nos cinco passos básicos abaixo, você irá aprender a guiar e como utilizar ferramentas de como inovar no seu negócio. Assim, o ano de 2014 será um grande ano para empresários que buscam dominar o mercado nacional e internacional.

1. Coloque objetivos alcançáveis por ações

Estabelecer objetivos deve ser parte da rotina semanal de sua empresa, ao invés de basear em uma data no início de um calendário. Em 2014, não trace metas baseado em métricas para sua empresa. Ao invés disso, estabeleça ações que seu negócio pode tomar para trazer você mais próximo do seu resultado desejado. Dessa forma, você consegue medir seu progresso em direção aos objetivos de sua empresa.

2. Conversar com empreendedores estabelecidos

Parece mentira, mas é isso mesmo que você acabou de ler. Eles têm o segredo do sucesso. Alguns, é claro, não irão lhe oferecer esses segredos, mas os passos básicos para conseguir alavancar a empresa, poderão ser oferecidos. O ideal é buscar por empreendedores na família, amigos e pessoas próximas que já possuem experiência. Assim, eles poderão dedicar mais tempo e irão oferecer maiores detalhes.

3. Conhecer e observar estabelecimentos similares

É importante conhecer mais sobre o mercado que você irá investir. E a melhor experiência é visitar um negócio similar ao que se pretende abrir. Afinal, esse processo pode ser uma ótima forma do empreendedor avaliar e ganhará mais informações de como seria administrar um negócio.

No local, procure fazer o seguinte: avalie a equipe, os clientes e instalações. Faça perguntas a você mesmo, como “você se vê administrando este negócio?” Não fique parado, observe todos os detalhes.

4. Capacite a equipe de vendas para atender seus clientes

O fracasso de uma empresa, muitas vezes, não está apenas no empresário. O erro pode está na equipe que atende seus clientes. Evite cometer esse erro. Muitos não devem saber, mas para o sucesso chegar ligeiramente, as empresas buscam realizar um bom atendimento.

Para que sua empresa consiga isso, elas devem estabelecer uma política permanente de capacitação da equipe, desenvolvendo sua capacidade de negociar e atender os clientes. Pode ser um grande desafio, mas vale muito a pena.

5. Inovar para crescer

Entra ano e sai ano e sua empresa fica na mesma? É comum isso acontecer. E desse jeito, a empresa começa a desandar. Para que isso não aconteça, inove. Saiba que, empresas que conseguem inovar de alguma forma crescem mais e constroem um ambiente muito mais flexível. As empresas nesse segmento, você pode acreditar ou não, elas estão sempre abertas para novas mudanças.

Antes de você alavancar sua indústria positivamente, você precisa entender como fazer isso. Uma das maneiras de fazer isso é usar a experiência do passado para redirecionar sua empresa. Portanto, olhe para os eventos de 2013 e veja o que você pode aproveitar para mudar em seu negócio.

Considere o que o pessoal de sua área está dizendo — e como eles estão se expressando. Seu mercado está passando por situações mais delicadas, ou está com uma demanda maior do que as empresas atuais conseguem lidar? É preciso avaliar essas situações para acertar nos passos seguintes de sua empresa.

Não é simples criar mudanças em uma empresa. Por isso que você deve buscar mais informações e contratar profissionais para realizar a tal atividade. Agindo desse modo, o sucesso poderá ser notado a metros de distancia.

Você tem alguma dúvida em relação à como dominar o mercado no ano que vem? Envie suas perguntas para contato@capitalsocia.cnt.br. Nós ficaremos felizes em respondê-lo!

 

7 Filmes sobre empreendedorismo para assistir

Que tal aproveitar  para preparar o espírito para novos projetos e grandes ideias? Esse é o momento certo para planejar os passos futuros. Uma boa forma de recuperar as forças e se divertir é assistindo a bons filmes. Por isso, nós separamos 7 longas-metragens sobre empreendedorismo que podem inspirar seus negócios.

1) Jerry Maguire – A Grande Virada (1996)

Escrito e dirigido por Cameron Crowe, o filme é uma jornada pessoal que gira em torno do agente esportivo Jerry Maguire (Tom Cruise). Depois de uma crise de consciência, Maguire escreve um memorando defendendo que os profissionais cuidem de seus clientes de uma forma mais humana. Por praticar valores diferentes daqueles vistos no mercado, Maguire é demitido. Agora, com apenas um cliente, ele precisa criar uma nova forma de fazer negócios para vencer o fracasso profissional.

2) À Procura da Felicidade (2006)

Protagonizado pelo astro Will Smith, o filme conta a história real de Christopher Gardner, pai de família cheio de problemas financeiros que chegou a morar na rua com o filho pequeno até virar o jogo. Depois de muito esforço, Gardner virou milionário e se transformou em mito em Wall Street. O filme conta essa história e ensina que a persistência é a palavra-chave na hora de alcançar nossos sonhos.

3) A Rede Social (2010)

O filme reconstitui a história da formação do Facebook paralelamente ao longo processo entre Mark Zuckerberg e Eduardo Saverin durante os primeiros anos da empresa. A história retrata a concepção de uma ideia bilionária, os primeiros passos da empresa e o relacionamento entre o líder Zuckerberg com outros funcionários. É um filme provocativo, que faz pensar sobre os limites das redes sociais e sobre o impacto que uma ideia pode ter no círculo social dos empreendedores.

4) Wall Street – poder e cobiça (1987)

O filme trata sobre o mundo de Wall Street e a cobiça pelo poder. A história acompanha a vida de um corretor ambicioso que vira discípulo do bilionário inescrupuloso Gordon Gekko (vivido por Michael Douglas). É um filme para refletir sobre poder, sacrifícios e riscos que estamos dispostos a fazer no mundo empresarial.

5) O Poderoso Chefão (1972)

A saga da família Corleone vai direto ao centro do mundo da máfia nos Estados Unidos. No filme – que foi baseado no livro homônimo de Mário Puzzo -, os mafiosos são homens de negócios em busca do sucesso para seus empreendimentos. É uma metáfora sobre a busca por oportunidades, empreendedorismo e trabalho em família.

6) Piratas do Vale do Silício (1999)

Até que ponto a rivalidade é um elemento que pode ajudar a alavancar os negócios? Esse é um tema presente no filme “Piratas do Vale do Silício”, que retrata os anos da juventude de Steve Jobs e Bill Gates, que se tornariam os gigantes da informática do planeta. Para os empreendedores, é uma boa reflexão sobre a necessidade de desenvolver ideias mesmo quando não há condições favoráveis à disposição.

7) Um Sonho de Liberdade (1994)

Esse filme inspirador conta a trajetória de um banqueiro preso injustamente e suas estratégias para tentar escapar da prisão perpétua. Trata-se de uma bonita narrativa sobre luta e esperança. Assim como na vida dos negócios, é preciso lutar todos os dias para alcançar nossos objetivos.

Gostou? Agora é só preparar a pipoca e bons filmes! Fique à vontade para contar as lições que você aprendeu com esses filmes para nós no e-mail contato@capitalsocial.cnt.br!

Gestão e planejamento financeiro: como começar?

Um dos grandes desafios das empresas de pequeno e médio porte é realizar a gestão financeira de forma organizada e correta. Afinal, não ter um planejamento financeiro pode diminuir o ritmo de crescimento do negócio.

A “estratégia” básica utilizada para gestão de muitas empresas acaba sendo a resolução de demandas do dia a dia, sem pensar sobre os caminhos que estão sendo tomados e sem avaliar a posição do negócio, suas potencialidades e pontos fracos. Esse comportamento pode até aumentar o fluxo de caixa em curto prazo, porém, acaba impedindo o desenvolvimento ao passar dos anos.

Mas a pergunta é: quais seriam os primeiros e principais passos para colocar em prática um plano e, ao mesmo tempo, melhorar os resultados da empresa?

Como começar o planejamento financeiro

Em primeiro lugar, a empresa precisa definir todo um pensamento estratégico. Para conseguir chegar a esse ponto, é necessário que seja elaborado um planejamento estratégico para os cinco anos seguintes.

A partir dessas metas estabelecidas, os empreendedores poderão tomar decisões mais efetivas, tanto avaliando quanto definindo caminhos. Também poderão perceber se as escolhas estão influenciando positivamente no crescimento da corporação – e na melhoria da rentabilidade.

Pensamento tático

Depois de uma boa estratégia, vem a tática. No mundo dos negócios, a melhor forma de se pensar taticamente é com um orçamento bem elaborado, que deverá ser articulado em uma visão mensal e anual. Essa visão permitirá equilibrar despesas e receitas, além de projetar o balanço da corporação para ampliar geração de capital de giro. Aqui também deve-se levar em conta como posicionar melhor a empresa no mercado – via ações de marketing e estratégias de vendas – assim como analisar se a rentabilidade da empresa está sendo bem desenvolvida.

Uma forma de colocar tudo isso em prática é buscar maneiras de se compensar (sobretudo, mas não só financeiramente) os colaboradores, para que cada um se empenhe em sua área, atingindo os resultados programados. Essas variáveis financeiras devem ser computadas no orçamento, além das obrigações trabalhistas mais usuais.

Acompanhamento periódico

Através de diversos tipos de instrumento, o acompanhamento deve ser mensal, analisando se tem sido possível executar o que se pretendia. Caso os resultados estejam desfavoráveis, é recomendado pensar em correções eficazes, para manter contínuo o crescimento dos negócios. Por essas e muitas outras razões, o fluxo de caixa acaba sendo apenas um de muitos aspectos a se observar.

A rentabilidade deve ser avaliada em elementos como o giro de vendas, por exemplo, para que se perceba quais itens estão trazendo retorno positivo de conversão e quais precisam ser reposicionados ou substituídos.

As demonstrações contábeis é outro aspecto de grande importância. Por meio de seu estudo, o gestor tem um retrato da situação da empresa em relação a dívidas e ativos. Consegue ver onde o dinheiro foi aplicado, quais sãos principais custos e despesas. Essa avaliação periódica pode previnir crises e antecipar oportunidades de investimento.

Por fim, saber como anda o caixa e os empréstimos é imprescindível. Não é recomendado que comprometer mais de ¼ do lucro operacional com o pagamento de juros, pois isso criará um grande entrave ao crescimento do negócio. Uma margem de segurança interessante é a de manter investido – em fundos ou aplicações que apresentem liquidez imediata – ao menos 50% do volume de vendas de um mês. Isso representará uma maneira de evitar riscos ao patrimônio da empresa, caso ocorra algum imprevisto de mercado.

Por fim, fazer um bom planejamento financeiro é importante para o desenvolvimento da empresa, não uma obrigação.

Você tem alguma dúvida sobre como tirar o seu planejamento financeiro do papel? Escreva para nós no e-mail contato@capitalsocial.cnt.br.

 

Como funciona a contabilidade de uma cooperativa?

Uma cooperativa é uma associação de pessoas que têm interesses em comum e unem-se de forma democrática e organizada, tendo como principal função a prestação de serviços. Mesmo diferenciando-se das empresas de forma geral, uma cooperativa também precisa ter a sua escrituração contábil. Isso é lei e serve para qualquer tipo de cooperativa, mesmo as pequenas. É importante, então, conhecer e estar atento às peculiaridades da gestão dessas instituições. Vamos conhecer algumas delas?

1. Tipo de atividade

A contabilidade das cooperativas tem relação direta com o tipo de atividade, que pode ser tanto atividade cooperativas (ou atos cooperados) quanto não cooperativas (ou atos não cooperados). A primeira é a praticada entre a cooperativa e seus associados. A outra são as atividades que são realizadas fora do seu objetivo e, dependendo do caso, as entradas e saídas podem ser passíveis de tributação.

2. Nomenclatura contábil

O item anterior interfere na própria nomenclatura contábil – os atos cooperados terão sobras ou perdas enquanto os não cooperados terão lucros ou prejuízos.

3. Assessoria contábil

A cooperativa é formada por cotas partes (o seu capital social) e a qualquer momento pode ser admitido um novo sócio. Há ainda as ocasiões da saída de algum associado. Assim, é realmente necessária uma assessoria contábil bem próxima, para acompanhar essas alterações.

4. Fundos de reserva

A escrituração contábil de uma sociedade cooperativa prevê a criação obrigatória de Fundos de Reserva, com a finalidade de cobrir possíveis perdas em um exercício, em se tratando dos atos cooperados.

5. Rateios

Havendo perdas nos resultados de atos não cooperados e não havendo reserva legal suficiente para cobrir essas perdas, o saldo será rateado entre os associados.

Essas são apenas algumas das particularidades de uma associação cooperativa. Portanto, essas instituições não são tão livres de burocracia quanto se possa imaginar. É aí que a assessoria contábil entra: para fazer com que a cooperativa esteja totalmente legalizada e dentro das regras de sua especificidade.

Um outro papel da contabilidade é agir como a gestora de informações, contribuindo com indicadores para que se chegue a uma boa gestão, indicando formas de reduzir impostos ou melhorar os resultados da cooperativa. E mesmo para fornecer periodicamente os resultados da cooperativa dentro do seu setor de atuação.

Você tem outras curiosidades sobre a contabilidade de cooperativas? Compartilhe com a gente no email contato@capitalsocial.cnt.br. Teremos prazer em respondê-lo!

 

Cuidados que todas as empresas precisam ter para evitar multas

Cuidar da gestão contábil e fiscal: esse é o ponto principal que toda empresa precisa ter quando o assunto é reduzir impostos, dentro da legalidade, e escapar do risco da incidência de multas – verdadeiras armadilhas criadas por erros e falta de informação adequada. Afinal, diferente do leão da foto, o leão do imposto não é um brinquedo.

Compartilho com vocês, empresários e empreendedores, algumas informações relacionadas a esse mundo contábil e fiscal, uma vez que hoje, em função do desenvolvimento tecnológico, o fisco já conhece as operações da empresa. Portanto, é preciso ficar atento: erros nas declarações e/ou na emissão de nota fiscal são facilmente detectados por conta do cruzamento das informações.

Adesão ao sistema digital

A arrecadação de impostos federais bate um recorde atrás do outro. Com a informatização, tem sido cada vez mais fácil para o fisco checar dados e cruzar informações entre as receitas federais e estaduais para encontrar falhas pequenas, mas que rendem multas altas.

Um dos problemas mais comuns é a desinformação sobre o Sistema Público de Escrituração Digital, o Sped. Com este sistema, o governo tem todos os detalhes das negociações envolvendo a empresa e, se encontrar alguma informação incoerente, pode agir na mesma hora, aplicando multas muitas vezes bem severas.

Guarde bem os arquivos digitais da sua empresa

As empresas obrigadas a emitir Nota Fiscal Eletrônica precisam enviar uma cópia da para o cliente, mas também tem de guardar todos os arquivos digitais e devidamente validados em formato XML. Caso uma fiscalização ocorra, os documentos em papel não terão valor algum para este novo mundo das informações digitais.

As informações constantes da NF-e precisam estar totalmente corretas, mesmo que este documento reúna mais de 200 campos de preenchimento. Pequenas divergências geram multas, principalmente quanto àquelas informações armazenadas nos órgãos oficiais. Caracteres trocados e divergências de informação quanto ao endereço, são erros simples ou até inocentes, mas que poderão gerar gastos imprevistos.

Diferenças entre NF-e e Danfe

A Danfe (Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica) é um certificado válido apenas para transporte de mercadorias e não equivale à Nota Fiscal. Precisa ser guardado apenas pelas empresas que ainda não estão participando da NF-e. Vale lembrar que o valor da operação pode ser o mesmo da multa aplicada se o total da NF-e for menor do que o total do Danfe, pois este tipo de prática é caracterizada como sonegação de impostos.

Escritório de contabilidade: um aliado no cumprimento das obrigações perante o fisco e na gestão da empresa

Apresentar as informações previstas e no tempo adequado são exigências do fisco, que vem apertando o cerco a cada ano que passa. Fique atento aos prazos determinados pelo Sped Fiscal, Sped Contribuições, Sped Contábil e ao E-Social. O atraso no envio das informações solicitadas pelo governo ou possíveis erros contidos nas declarações costumam gerar aquela desagradável “arrecadação a mais”.

É sempre bom contar com um escritório de contabilidade ágil e competente para melhorar os resultados da empresa. Cuide da gestão do seu negócio, livre-se de perdas e alcance voos melhores e mais altos.

Sua empresa ainda não está com todos os documentos e processos em dia? Conte para nós (contato@capitalsocial.cnt.br) quais os principais desafios que vocês enfrentam!

 

Como preparar minha empresa para crescer

Todo negócio tem um objetivo: crescer e ser sustentável ao longo do tempo. Essa busca compreende todos os setores da empresa, que precisam trabalhar de forma integrada para atingir o sucesso. Por isso todas as áreas e processos são importantes, inclusive a gestão contábil, que é responsável pelo crescimento financeiro da empresa de forma organizada.

Delegar a atividade para um escritório de contabilidade ou ter uma equipe interna é uma questão de opção do empreendedor, mas o que a empresa tem que ter muito bem estabelecido são as diretrizes que norteiam a sua atividade. Essas diretrizes podem determinar o aumento ou a redução de lucros da empresa, influenciando diretamente na sua sustentabilidade.

Vamos conferir alguns pontos importantes a serem seguidos para qualquer empresa que está se preparando para crescer?

Gestão responsável

Uma empresa que possui uma gestão contábil responsável garante tranquilidade nas suas ações, sem se preocupar com fiscalizações de órgãos reguladores ou problemas com o fisco. Além de manter a equipe trabalhando em sinergia, com todo afinco, a empresa se mantém apta a receber qualquer tipo de financiamento, podendo aproveitar oportunidades de mercado para crescer.

Redução de impostos

Uma boa equipe de contadores e assistentes financeiros sabe qual a melhor forma de fazer o planejamento tributário da empresa, levando o ramo de atividade e os planos de crescimento. Além disso, a empresa que investe em ações sociais pode reduzir seus impostos contribuindo com instituições e iniciativas não-governamentais, o que também se torna algo bastante proveitoso para o empreendedor e os projetos com os quais decide colaborar.

Obrigações trabalhistas

O setor de contabilidade de uma empresa é responsável por manter em dia as obrigações trabalhistas referentes a todos os empregados. Fazer uma boa gestão deste processo evita que a empresa venha a ter problemas com a justiça em virtude de ações judiciais de ex-funcionários. Este é um trabalho minucioso, que requer atenção e muito conhecimento da legislação trabalhista, desde o momento da seleção até o eventual fim do contrato. Por isso o pessoal da contabilidade deve estar afinado com estes conceitos.

Viu como o crescimento dos negócios não depende apenas do departamento de vendas? É um um esforço conjunto de toda a empresa, em especial do departamento de contabilidade, que tem em mãos toda a vida financeira da empresa. Suas atividades impactam todos os setores de uma organização. Por isso, esta equipe deve ser valorizada sempre!

Que cuidados sua empresa toma para crescer de forma sustentável? Compartilhe suas dicas com a gente nas redes sociais!